A um passo da eternidade [From here to eternity] EUA, 1953.

418659_519316548084413_78644579_n

Alguém me explica o porquê da tal cena do beijo do Burt Lancaster e da Deborah Kerr na praia ser A CENA DE BEIJO DO CINEMA? Que coisa mais nonsense. Fiquei muito chocado, como algo tão perdido dentro do próprio filme possa ser tão louvado? Juro pra vocês que a sequência da tal cena é RI DÍ CU LA!!! Além de perdida, você fica abalada com tamanha misoginia. Sim, as personagens femininas do filme são todas biscates arrependidas, num tem? Uma penna. [Claro que o Lancaster de sungão VALE MUUUUITOOOO o replay].

Mas este clássico ainda tem sua força! A crítica à guerra é ferrenha, deveria ser inédito para a época. Nos anos 00s ainda me deparo com propaganda de recruta de jovens oficiais no site da revista Rolling Stone. Com a crise econômica americana atual, muito jovens vêem a guerra como uma única saída…  A trama toda se passa na base aérea de Honolulu antes do ataque japonês que ficou conhecido como o Ataque à Pearl Harbor. E impagável toda aquela aura de loser por trás do sempre cativante do Montgomery Clift como um soldado with no hope. Aliás, as personagens masculinas protagonistas são soldados americanos engolindo todas as humilhações do mundo sonhando com um retorno com alguma glória para a América. No elenco, além do sempre maravilhoso do Clift e do HOMEM MAGIA do Lancaster, Frank Sinatra levou seu Oscar de melhor ator coadjuvante, personagem que deu um up em sua carreira. O cara estava totalmente desmoralizado na época, envolvido em mil escândalos com a máfia e toda AQUELA SACANAGEM que ele se meteu com os Kennedys [ele era apelidado de cafetão do John Kennedy]. O horroroso [sim, ele ao lado do Lancaster e do Clift é de dar dó] topou a parada por apenas oito mil dólares. Só lamento o roteiro moralista diante às personagens femininas. Kerr e Donna Reed são atrizes fascinantes, mas é só elas começarem com o lamento de ME SALVE DESTA PUTARIA TODA e o encanto desvanece.

O filme faturou inúmeros Oscars: melhor filme, diretor [Fred Zinnemann], roteiro adaptado, edição, som, e Sinatra e Reed de coadjuvantes. Levou ainda o Globo de Ouro de melhor filme e foi premiado também em Cannes.

Aaah, ainda dar pra catar inúmeras referências pop, por exemplo: Yo La Tengo e The Breeders já escreveram músicas em homenagem ao filme.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em cinema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s