Lembranças [Remember me] EUA, 2010.

Estamos em 2010 e ainda existem produções investindo em filmes tão conservadores como este!? A personagem do Robert Pattinson é apresentada como um rebelde que é sempre salvo pelo papai ricasso. O papai ricasso representa o que a América ‘branca’ tem de mais de conservadora, machista e orgulhoso. Vide quando ele interrompe a fala da filha freak numa reunião de família. A filha freak sofre bullying na escola por ser metida nas artsies mas o sonho de vida dela é ser aceita pelo papai ricasso. A mãe dos dois[Lena Olin de A insustentável leveza do ser] só aparece passiva e pra variar na cozinha!? O melhor amigo do Pattinson tem o discurso mais preconceituoso de todo o filme. Em uma das cenas ele diz que botou sua bandeira de raça ‘branca’ nos mais variados países, sexualmente falando. O par romântico do Pattinson[a simpática Emilie de Ravin] ri da piadinha e fica entre a asa do namoradinho problemático e do pai policial[o sumido Chris Cooper] que também vive do ‘passado’. Sem falar que todos os problemas são resolvidos na base da porrada. Uffie! Boring, neah? E todas as personagens do filme têm um motivo pra sofrer… Quem vê pensa que sofrer é bonito, ném! E então o 11 de setembro abre uma janela pra mudança na sociedade americana… Um final de esperança de um mudinho mais liberal, vide a superação das personagens femininas da namô e da irmã do Pattinson. Ch-ch-ch-changes! Mas peraê, num filme de 112 minutos, essa janelinha de esperança rola nos 5 minutinhos finais! Assim, o discurso conservador prevaleceu!? Nheco! Lembrando que os Estados Unidos só se fudeu desde então…
Ponto mesmo pro Pattinson que está lindo e com uma boa oportunidade de mostrar algum talento, num papel digamos mais ‘quente’. Ele até grita em algumas cenas do filme! E o melhor do filme fica pela direção do elenco. Tá todo mundo muito bem, destaques principais ao Pierce Brosnam como o pai ricasso e a irmãzinha freakosa interpretada pela Ruby Jerins, que lembra demais a Scarlett Johansson. Fail pra montagem, tem uma cena de amor na cama que termina num travelling com a câmera em fade out numa almofada!? Uiuiui!
*
Vocês estão vendo como eu sou uma pessoa livre de preconceitos? Assistir a filmes como este acaba sendo um ótimo exercício.P

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em cinema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s